Citalopram Actavis

 

O que é e como se utiliza?

Como funciona o Citalopram Actavis?
O Citalopram Actavis é um Inibidor Selectivo da Recaptação da Serotonina (ISRS) e pertence a um grupo de medicamentos conhecido como antidepressivos. Estes medicamentos ajudam a normalizar os níveis de serotonina no cérebro. As alterações no sistema cerebral da serotonina são factores-chave no desenvolvimento da depressão e de doenças relacionadas.

Para que é utilizado o Citalopram Actavis?
O Citalopram Actavis é utilizado para o tratamento da depressão (incluindo a prevenção da recorrência dos sintomas) e de perturbações de pânico.

A depressão é caracterizada por humor em baixo/deprimido, falta de energia, melancolia, sensações de pouco ou nenhum valor, perturbações do sono, afastamento e incapacidade de efectuar as tarefas diárias. A depressão poderá também ser acompanhada por pensamentos suicidas. Os doentes deprimidos poderão ainda sofrer de sintomas de ansiedade.

A perturbação de pânico é caracterizada pelo facto dos doentes desenvolverem ataques inesperados de pânico ou ansiedade intensos quando confrontados com situações específicas ou devido ao medo de sofrerem novos ataques. A situação específica que desencadeia os ataques varia de doente para doente. Os ataques são recorrentes quando o doente enfrenta de novo a mesma situação.

O que se deve tomar em consideração antes de utilizá-lo?

Não tome Citalopram Actavis
se tem alergia (hipersensibilidade) ao citalopram ou a qualquer outro componente de Citalopram Actavis.
se está simultaneamente a tomar inibidores da monoaminoxidase (também designados IMAO, por exemplo selegilina ou moclobemida) ou os tiver tomado em qualquer altura nas duas últimas semanas. O seu médico informá-lo-á de como começar a tomar Citalopram, assim que tiver parado de tomar o IMAO. (ver ?Tomar Citalopram Actavis com outros medicamentos?).
se está simultaneamente a tomar pimozida (ver ?Tomar Citalopram Actavis com outros medicamentos?).

Tome especial cuidado com Citalopram Actavis
Utilização em crianças ou adolescentes com menos de 18 anos de idade: O Citalopram Actavis normalmente não deverá ser utilizado em crianças nem em adolescentes com menos de 18anos. Além disso, deverá também ter presente que os doentes com menos de 18 anos têm um risco aumentado de efeitos como tentativas de suicídio, pensamentos suicidas e hostilidade (predominantemente agressão, comportamento de oposição e fúria) quando tomam medicamentos desta classe. Apesar disto, o seu médico poderá prescrever Citalopram Actavis para doentes com menos de 18 anos pois ele/ela considera que isso é no melhor interesse deles. Se o seu médico receitou Citalopram Actavis para um doente com menos de 18 anos e você quiser discutir isso, consulte de novo o seu médico. Deverá informar o seu médico caso se desenvolva ou agrave algum dos sintomas acima indicados quando doentes com menos de 18 anos estão a tomar Citalopram Actavis. Além disso, os efeitos relacionados com a segurança a longo prazo no que se refere ao crescimento,

maturação e desenvolvimento cognitivo e comportamental do Citalopram Actavis neste grupo etário não foram ainda demonstrados.
Se está a ser tratado para ataques de pânico poderá experimentar sintomas aumentados de ansiedade quando iniciar o tratamento. Esta reacção normalmente diminui em 2 semanas, durante o tratamento continuado. O seu médico irá adaptar a sua posologia (ver secção 3 ?Como tomar Citalopram Actavis?).
Se sofre de epilepsia, as convulsões são um potencial risco com fármacos antidepressivos. O tratamento com Citalopram Actavis deve ser interrompido caso a frequência de convulsões aumente.
Se tem antecedentes de mania/hipomania, Citalopram Actavis deverá ser utilizado com precaução e deverá ser descontinuado quando entrar numa fase maníaca.
Se sofre de diabetes, o tratamento com Citalopram Actavis poderá alterar o controlo glicémico. As doses de insulina e/ou antidiabético oral poderão necessitar de ser ajustadas.
Se tem pensamentos de suicídio ou auto-agressão. Ocasionalmente, estes pensamentos poderão ocorrer ou aumentar nas primeiras semanas de tratamento para a depressão, até que o efeito antidepressivo se torne aparente. Informe imediatamente o seu médico caso tenha pensamentos ou experiências perturbadores.
Se desenvolver sintomas como agitação desagradável ou perturbadora, agitação psicomotora e necessidade de se mover, frequentemente acompanhada por uma incapacidade de ficar quieto em pé ou sentado, normalmente associada com angústia subjectiva (acatisia). Estes sintomas são mais prováveis nas primeiras semanas de tratamento. Em doentes que desenvolvem estes sintomas, aumentar a dose poderá ser prejudicial e agravar estas sensações. Se tem uma doença hemorrágica, Citalopram Actavis poderá provocar hemorragias (p. ex. hemorragias cutâneas e das mucosas). Se estiver a utilizar medicamentos que afectam a coagulação do sangue (ver ?Tomar Citalopram Actavis com outros medicamentos?).?
Se tem uma úlcera no estômago ou se teve no passado alguma hemorragia no estômago ou nos intestinos.
Se está a receber terapia electroconvulsiva, dado que existe pouca experiência é aconselhável precaução.
Se experimentar a designada síndroma da serotonina. Uma combinação de sintomas, como agitação, tremor, contracções musculares e hipertermia, poderá indicar o desenvolvimento desta patologia. O tratamento com Citalopram Actavis deverá ser imediatamente descontinuado. Se está a tomar medicamentos à base de plantas que contêm hipericão (Hypericum perforatum). A utilização concomitante poderá resultar numa incidência aumentada de reacções adversas (ver secção ?Tomar Citalopram Actavis com outros medicamentos?)
Se tem problemas graves dos rins ou do fígado. Citalopram Actavis não deverá ser utilizado em doentes com função renal gravemente afectada. Em doentes

com problemas hepáticos graves, é recomendado reduzir a posologia de Citalopram Actavis.
Se é psicótico com episódios depressivos.
Se é susceptível para certas perturbações (prolongamento do assim designado intervalo QT no ECG) ou tem suspeita de síndroma congénita de QT longo ou tem baixos níveis de potássio ou magnésio (hipocaliemia/hipomagnesemia). Se o tratamento é interrompido, pois poderão ocorrer reacções de abstinência (ver? Se parar de tomar Citalopram Actavis?). As reacções de abstinência incluem: tonturas, formigueiros ou entorpecimento, dores de cabeça, náuseas e ansiedade. Na sua maioria, as reacções de abstinência são de natureza ligeira e autolimitada. Se o tratamento está a ser parado, é aconselhável que a dose seja gradualmente reduzida ao longo de períodos de 1-2 semanas.

Tomar Citalopram Actavis com outros medicamentos
Tenha em atenção que os seguintes pontos poderão também aplicar-se a medicamentos utilizados há algum tempo ou daqui a algum tempo no futuro. Alguns medicamentos podem provocar problemas se os tomar com Citalopram Actavis. Esses medicamentos incluem:
relativamente a antidepressivos do tipo designado inibidores a monoaminoxidase (IMAO), tais como fenelzina, isocarboxazida e tranilcipromina. Não tome Citalopram durante catorze dias após a descontinuação do tratamento com um medicamento designado IMAO irreversível. Não tome Citalopram durante o período de tempo especificado após descontinuação do tratamento com um IMAO reversível (p. ex. moclobemida), como referido no folheto informativo para os doentes do IMAO reversível. Não tome IMAO durante sete dias após a descontinuação do tratamento com Citalopram.
Não utilize Citalopram se estiver a tomar mais de 10 mg/dia do IMAO selegilina. não tome citalopram se estiver a tomar pimozida (para doenças psiquiátricas) para a depressão, p. ex., fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina, sertralina, venlafaxina, bupropiona, antidepressivos tricíclicos, como nortriptilina, desipramina, clomipramina, e o medicamento à base de plantas hipericão (Hypericum perforatum)
para a enxaqueca, p. ex. sumatriptano e outros triptanos
para as dores, tramadol
para as dores e a inflamação, fármacos anti-inflamatórios não esteróides (AINE) p. ex., ibuprofeno, cetoprofeno e diclofenac
para infecções, p. ex., o antibiótico linezolida
para evitar a coagulação do sangue, anticoagulantes como, p. ex., varfarina, ácido acetilsalicílico, dipiridamol, ticlopidina
para ritmo cardíaco irregular, p. ex., propafenona, flecainida
para a insuficiência cardíaca, metoprolol
para as úlceras do estômago, omeprazol, lansoprazol, cimetidina

para doenças psiquiátricas, p. ex., lítio, risperidona, cloropromazina, tioridazina, clorprotixeno, haloperidol
para a malária, p. ex., mefloquina
outros medicamentos com efeitos serotoninérgicos, como oxitriptano ou triptofano
medicamentos que prolongam o intervalo QT ou medicamentos que induzem diminuição dos níveis de potássio/magnésio no sangue (medicamentos indutores de hipocaliemia/hipomagnesemia)

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Tomar Citalopram Actavis com alimentos e bebidas
É aconselhável não beber álcool durante o tratamento com Citalopram Actavis. Citalopram Actavis pode ser tomado com ou sem alimentos.

Gravidez e aleitamento
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Gravidez
A experiência é limitada no que respeita à utilização de Citalopram Actavis durante a gravidez. Não tome Citalopram Actavis se estiver grávida ou a planear engravidar, a menos que o seu médico o considere absolutamente necessário. Não deverá descontinuar o tratamento com Citalopram Actavis abruptamente. Se estiver a tomar Citalopram Actavis nos últimos 3 meses da gravidez, informe

  • seu médico, pois o seu bebé poderá apresentar alguns sintomas quando nascer. Estes sintomas normalmente começam durante as primeiras 24 horas após o bebé ter nascido e incluem não ser capaz de dormir nem de se alimentar adequadamente, problemas com a respiração, pele azulada ou ficar demasiado quente ou frio, estar maldisposto, chorar muito, músculo rígidos ou flácidos, letargia, tremores, grande nervosismo ou convulsões. Caso o seu bebé tenha algum destes sintomas após o nascimento, contacte imediatamente o seu médico, que o poderá aconselhar.

Aleitamento
O citalopram passa para o leite materno em pequenas quantidades. Há um risco de efeitos no bebé. Se estiver a tomar Citalopram Actavis, consulte o seu médico antes de começar a amamentar.

Condução de veículos e utilização de máquinas
O citalopram poderá afectar a sua capacidade de conduzir um automóvel ou utilizar máquinas.
Não conduza nem utilize máquinas até saber como o citalopram o afecta. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas em relação a alguma coisa.

Como é utilizado?

A dose habitual é:

Adultos
Tratamento da depressão
A dose inicial recomendada é de 20 mg por dia. Se necessário, a dose pode ser aumentada até 40 mg por dia, dependendo da resposta. A dose máxima é de 60 mg por dia.

Tratamento das perturbações de pânico
Para os doentes que estão a ser tratados para aliviar os sintomas de ataques de pânico provavelmente só serão receitados 10 mg diários durante cerca da primeira semana, antes de aumentar a dose para 20-60 mg por dia

Doentes idosos (>65 anos de idade):
Tratamento da depressão:
A dose recomendada é de 20 mg por dia.
A dose pode então ser aumentada de acordo com a resposta individual até um máximo de 40 mg diários.

Tratamento da perturbação de pânico:
A dose inicial é de 10 mg uma vez por dia. Após uma semana, a dose poderá ser aumentada para 20 mg diários. Dependendo da resposta individual dos doentes, a dose poderá ser aumentada até um máximo de 40 mg diários. As doses superiores a 30 mg só deverão ser administradas após consideração cuidadosa.

Função hepática reduzida
Os doentes com uma função hepática ligeiramente a moderadamente reduzida deverão receber uma dose inicial de 10 mg por dia. A dose diária não deverá exceder 30 mg.
São aconselhadas precaução e uma posologia muito cuidadosa em doentes com uma função hepática gravemente reduzida.
Os doentes com uma função hepática reduzida deverão ser clinicamente monitorizados.

Função renal reduzida
O médico poderá decidir receitar uma dose inferior à descrita acima. Em doentes com insuficiência renal grave, a utilização de Citalopram não é recomendada, pois não está disponível informação sobre a utilização nesses doentes.

Utilização em crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade: Citalopram Actavis não deverá ser utilizado no tratamento de crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade (ver ?Tome especial cuidado com Citalopram Actavis?).

Citalopram Actavis 30, 40 e 60 mg comprimidos revestidos por película: Se a dose não puder ser alcançada com estes comprimidos estão disponíveis outras dosagens do medicamento.

Via oral.
Tomar Citalopram Actavis sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Citalopram Actavis deverá ser tomado numa toma única, de manhã ou à noite. Os comprimidos podem ser tomados com ou sem alimentos.
Citalopram Actavis 10 mg comprimidos revestidos por película
Os comprimidos deverão ser engolidos inteiros com um copo de água ou de outro líquido.
Citalopram Actavis 20 mg comprimidos revestidos por película
Citalopram Actavis 30 mg comprimidos revestidos por película
Citalopram Actavis 40 mg comprimidos revestidos por película
Citalopram Actavis 60 mg comprimidos revestidos por película
Os comprimidos ou as metades dos comprimidos deverão ser engolidos inteiros com um copo de água ou de outro líquido.

Duração do tratamento:
Citalopram Actavis não funciona imediatamente. Poderá demorar 2-4 semanas antes de sentir algum benefício destes comprimidos. Isto é normal para este tipo de medicamento.
Para o tratamento das perturbações de pânico a resposta terapêutica completa poderá demorar até 3 meses a desenvolver-se. Poderá ser necessário continuar

  • tratamento durante vários meses.Continue a tomar os comprimidos enquanto o seu médico o recomendar. Não deixe de tomá-los mesmo que se comece a sentir melhor, a menos que o seu médico lhe diga para o fazer. Nunca altere a dose do seu medicamento sem falar primeiro com o seu médico.

Sintomas de abstinência observados com a descontinuação
A descontinuação abrupta deverá ser evitada. Quando parar o tratamento com Citalopram a dose deverá ser gradualmente reduzida ao longo de períodos de uma a duas semanas, de modo a reduzir o risco de reacções de abstinência (ver secção Se parar de tomar Citalopram Actavis e Efeitos secundários possíveis)

Se tiver a impressão de que o efeito de Citalopram é demasiado forte ou demasiado fraco, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Se tomar mais Citalopram Actavis do que deveria
Se tiver tomado mais Citalopram do que deveria, fale imediatamente com um médico ou farmacêutico.
Sintomas em caso de sobredosagem:
Sonolência, um estado de quase inconsciência, com inactividade mental aparente e reduzida capacidade de responder à estimulação (estupor comatoso), convulsões, alterações no ritmo cardíaco (p. ex., intervalo QT prolongado), arritmia cardíaca, náuseas, vómitos, transpiração, coloração azulada da pele devido a uma quantidade inadequada de oxigénio no sangue (cianose), hiperventilação. Poderão ocorrer características da síndroma da serotonina (ver ?Efeitos secundários possíveis?), particularmente quando são co-ingeridas outras substâncias.

Caso se tenha esquecido de tomar Citalopram Actavis
Caso se tenha esquecido de uma dose, não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se parar de tomar Citalopram Actavis
Não pare de tomar Citalopram Actavis a menos que o seu médico lhe diga para

  • fazer. Dado que poderão ocorrer reacções de abstinência quando o tratamento é interrompido, é aconselhável reduzir a dose gradualmente a intervalos de 1-2 semanas. As reacções de abstinência incluem: tonturas, formigueiros ou entorpecimento, dores de cabeça, náuseas e ansiedade. Na sua maioria as reacções de abstinência são de natureza ligeira e autolimitada. Se o tratamento estiver a ser parado, é aconselhável que a dose seja gradualmente reduzida ao longo de períodos de 1-2 semanas.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Quais são os possíveis efeitos secundários?

Como todos os medicamentos, Citalopram Actavis pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Se algum dos efeitos seguintes acontecer, pare de tomar Citalopram Actavis e informe imediatamente o seu médico ou vá ao serviço de urgência do hospital mais próximo:
A síndroma da serotonina foi descrita em doentes tratados com este tipo de antidepressivos (ISRS). Informe o seu médico se apresentar febre elevada, tremores, contracções musculares e ansiedade, pois estes sintomas poderão

indicar o desenvolvimento desta patologia. O tratamento com Citalopram Actavis deverá ser imediatamente descontinuado.
Deverá consultar imediatamente o seu médico se apresentar sintomas como face, língua e/ou faringe inchadas e/ou dificuldade em engolir ou urticária conjuntamente com dificuldades em respirar (angioedema).
Estes são efeitos secundários muito graves. Se os tiver, poderá ter tido uma reacção alérgica grave ao Citalopram Actavis. Poderá necessitar de cuidados médicos urgentes ou de hospitalização.
Todos estes efeitos secundários muito graves são muito raros.

Os seguintes efeitos secundários foram notificados com as frequências aproximadas mostradas:

Muito frequentes Frequentes 1 a 10 Pouco frequentes Raros 1 a 10 utilizadores Muito raros menos de 1 em 10 000 utilizador em 10 utilizadores em 100 mais de 1 utilizador em 10 1 a 10 utilizadores em 1000 000 conhecida frequência pode não a não ser estimada a partir dos dados disponíveis Doenças cardíacas Batimento irregular do coração, palpitações Batimento do coração mais lento, pulsação reduzida Anomalia ritmo ou frequência batimento do da do do coração arritmia Frequência cardíaca elevada, pulso acelerado, baixa pressão arterial hipotensão e queda da pressão arterial quando se muda a posição corporal hipotensão ortostática, pressão arterial aumentada hipertensão Doenças do sangue e do sistema linfático Hemorragias  p. ex., hemorragia vaginal, gastrointestinal, cutânea e mucosa Redução do peso, aumento do peso Doenças do metabolismo e da nutrição

Doenças do sistema nervoso Dores de cabeça, tremor, tonturas  Enxaquecas, formigueiros ou entorpecimento, perturbações sensoriais  Perturbações do sistema motor perturbações extrapiramidais, convulsões,  diminuição dos movimentos voluntários ou seja tremores, tiques. Alterações do tónus muscular, lentidão de movimento Afecções oculares Anomalias da visão Visão turva, doenças da acomodação ocular Afecções do ouvido e do Campainhas nos ouvidos zumbidos labirinto Tosse Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino Constipação, corrimento e comichão nasais, inflamação dos seios nasais Doenças gastrointestinais  Enjoos náuseas, boca seca, obstipação, diarreia. Indigestãoazia, vómitos, dor de estômago, gases, aumento da saliva  e Doenças renais urinárias Dificuldades em urinar doenças urinárias, produção excessiva de urina Níveis mais baixos de sódio no sangue hiponatremia, predominantemente nos idosos e uma doença conhecida por SIADH síndroma da secreção inapropriada de hormona antidiurética, que geralmente foi reversível com a descontinuação do tratamento Sudação aumentada Sensibilidade à luz Erupção cutânea, comichão Afecções dos tecidos cutâneo e Inchaço com comichão angioedema da pele ou do tecido

subcutâne que reveste as  cavidades internas do corpo membrana mucosa  Afecções Dor muscular Dor nas musculosq articulações ueléticas e dos tecidos conjuntivos  Vasculopa Tonturas ao tias colocar-se repentinamente em pé, baixa pressão arterial, pressão arterial alta  Perturbaç Sensação Fadiga, bocejar, Reacções Choque forte ões gerais de fraqueza anomalias do alérgicas, diminuição da e letargia. paladar desmaio, pressão arterial, alterações sensação geral palidez, agitação, no local de de mal-estar pulso fraco e administra acelerado, pele ção húmida, diminuição da consciência causado por uma forte dilatação vascular súbita em resultado de hipersensibilidade grave a certas substâncias reacções anafilácticas.  Doenças Problemas hepatobilia hepáticos, res  aumento das enzimas hepáticas Doenças Incapacidade Secreção dos das mulheres anormal de leite órgãos conseguirem pela mama genitais e atingir o galactorreia da mama orgasmo, dor menstrual, impotência, falha na ejaculação Doenças Sonolência, Perturbações Um estado de Pensamentos de Alucinações, psiquiátric insónia, do sono, optimismo, suicídio ou alterações de as agitação, problemas com alegria e bem- comportamento humor, perda de

nervosismo  estar euforia, impulso sexual aumentado suicida, agitação psicomotora acatisia a concentração, sonhos anormais, perda de contacto com a sua própria realidade pessoal, acompanhados por sensações de irrealidade e estranheza, ataques de pânico  memória, ansiedade, libido reduzida, aumento do apetite, perda de apetite, ausência de emoção ou entusiasmo, apatia, confusão

Reacções de hipersensibilidade:
Choque (forte diminuição da pressão arterial, palidez, agitação, pulso fraco e acelerado, pele húmida, diminuição da consciência) causado por uma forte dilatação vascular súbita em resultado de hipersensibilidade grave a certas substâncias (reacções anafilácticas).

Sintomas de abstinência observados com a descontinuação:
Dado que poderão ocorrer reacções de abstinência quando o tratamento é interrompido, é aconselhável reduzir a dose gradualmente a intervalos de 1-2 semanas As reacções de abstinência incluem: tonturas, formigueiros ou entorpecimento, dores de cabeça, náuseas e ansiedade. Na sua maioria as reacções de abstinência são de natureza ligeira e autolimitada. Se o tratamento estiver a ser parado, é aconselhável que a dose seja gradualmente reduzida ao longo de períodos de 1-2 semanas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Como deve ser guardado?

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Citalopram Actavis após o prazo de validade impresso na embalagem exterior após VAL.
O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Este medicamento não necessita de condições especiais de conservação.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização nem no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.